Incêndio se Apaga no Projeto!
7 de novembro de 2019

S.D.A.I. Sem Fio e Sua Contribuição a Higidez Hospitalar

A convergência digital aliada a integração tecnológica em veloz evolução, apresenta excelentes soluções para o ambiente hospitalar no que se refere a profilaxia predial, propriamente dita; e, na gestão, redução de custos com melhoria contínua na qualidade dos serviços de segurança, prevenção e combate a incêndios.

Assim, os Sistemas de Detecção e Alarme de Incêndio – SDAI, operando com tecnologia sem fio, proporciona oportunidade concretas, especialmente no contexto atual, onde a mídia reverbera diariamente a insuficiência de meios e métodos; sistemas e práticas funcionais eficientes em espaços públicos e privados, especial e preocupante onde há grande afluência, permanência e circulação de pessoas, como nos hospitais.

No aspecto predial há ausência de dutos para cabos segregados; isolados, dependendo do ambiente; bandejas; caixas de passagem; suportes diversos, comparada com os espaços ocupados, centrais menores e sensores distribuídos na simplicidade sem fio, portanto de instalação, manutenção e atualização simplificadas, evitando inclusive perfurações, aberturas e passagens entre andares e repartições; rota eventual para insetos e pequenos animais a ser cuidada; reduz sobremaneira a contaminação e a descontaminação, ao longo do tempo e a cada inspeção, manutenção e ampliação.

A simplicidade operacional com relatórios situacionais e gerenciais em tela, atualmente, permite aos técnicos do Serviço Especializado de Engenharia e Medicina do Trabalho – SESMT, cumprir as normas e regulamentos na operação destes ambientes, melhorando muito, e continuamente, o que habitualmente se faz, colaborando para uma gestão integrada, onde há integração e ampliação das diversas atividades, com qualidade e resiliência progressiva. A sinergia entre a automação e sensores diversos, possibilita o controle da gestão baseada em evidências na mesma rede sem fio: elevadores bloqueados com as portas abertas em caso de detecção e alarme; condicionadores de ar e bombas d’agua, reserva de atuação de brigada e dos bombeiros, inclusive, gerenciados em tempo real, integradores.

A adoção de métodos e tecnologias reconhecidas escaláveis, certificadas, de acordo com a norma ABNT NBR ISO 7240-25, gera resultado favoráveis; agrega valores e um feedback positivo para a imagem do hospital; branding; e melhores argumentos quando há negociação com seguradoras; colocação diferenciada no ranking nacional e internacional de qualidade e desempenho hospitalar, utilizando novos ativos, possibilitando novas ações e também o market place na saúde; porém o doca é segurança e confiança, ou seja credibilidade.

Um sistema de alarme e detecção de incêndio resulta de P & D & I, seguido de follow-up junto aos clientes e parceiros, com análises técnicas e comerciais no pós-venda, adequando demandas, face às inovações, às normativas e regulações, que por sua vez, devem ser compatíveis com requisitos de segurança, confiabilidade e custo, juntamente com nova tecnologias. Os sensores e a comunicação são as “chaves” nos sistemas sem fio.

No Brasil, a ANATEL, órgão que regula e aprova usos e características técnicas dos dispositivos de comunicação, certificou os módulos de comunicação Zigbee, utilizados por fabricantes do mundo inteiro. Essa metodologia exemplifica bem a integração de tecnologias buscando desempenho, versatilidade e baixo custo. As mesmas características e flexibilidades incorporadas aos SDAI sem fio, que se assemelham as melhores tecnológica, de forma análoga ao mercado de aviação, possibilitam melhores sistemas e componentes, isso assegura os resultados favoráveis.

Os Zigbees, versáteis, podem ser alimentados por baterias iguais dos celulares, podem incluir pinos de entrada/saída GPIOs (Genereal Purpose INput/Output) ou ADC. Variam em potência de transmissão (e consequentemente alcance e fasto de energia), variando também com tipos de antenas e capacidade do hardware.

Diminutos módulos de comunicação e sensores, sem cabeamento, facilitam etapas, da implantação operação, com redução nos custos. Por exemplo, um hospital com quatro pavimentos de 1500m² pode gerar economia inicial, além de relevantes reduções de custos, normalmente ocultos, da ordem de 50%, na implantação do SDAI sem fios. Mitiga-se a exposição indevida aos órgãos anuentes, fiscalizadores e concedentes, reguladores de maneira geral, sobre tudo nos quesitos segurança e contenciosos, pois com a gestão baseada em evidências, aprofunda-se, organiza-se e reforça-se previamente, defesas jurídicas, administrativas e financeiras num eventual sinistro, nas possíveis perdas imediatas e faturas.

Pesquisando, encontramos no mercado empresas capazes de atuar plenamente nos ambientes nos ambientes hospitalares com soluções viáveis, e analisando o sistema sem fio destacamos abaixo as principais características:
– Economia com redução de custos;
– Suporte a dispositivos endereçáveis (+de 60.000);
– Segurança oferecendo plataforma livre de sistema operacional;
– Instalação rápida, limpa e segura com mão de obra reduzida;
– Anteprojeto;
– Manutenção simplificada;
– Central digital de fácil operação;
– Possibilidades de fronteira como I.A., Megadados e Internet das Coisas; dentre outras, abrindo caminho para atualização contínua e resiliência nos serviços.

Estes produtos estão abrindo caminhos para que os hospitais possam ser geridos cada vez mais com plataformas que estarão literalmente na mão do gestor, com acesso rápido a informações, agilizando a tomada de decisões, auxiliando nos planos de contingências das unidades hospitalares. Somos convidados a entra no universo sem limites dos sistemas sem fio.

Selmo Eduardo
Engenheiro Eletricista – Gerente de Negócios e de Relacionamentos na Integrar Sistemas Inteligentes de Detecção, Alarme e de Combate de Incêndios
Texto Publicado na Revista Abeclin – Ano 3 – Nº 10 – Julho de 2019

Comments are closed.